sexta-feira, 17 de março de 2017

REFORÇO VAI CONTRATAR PROFESSORES



Resultado de imagem para precisa-se
A partir de 27 de março de 2017, os interessados poderão fazer o cadastro no Portal do Ministério da Educação e escolher até 10 turmas.
O reforço será para alunos com dificuldades dos Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano), com aulas no contra turno em turmas com jornada de 5 ou 15 horas semanais, a critério das equipes gestoras das escolas.
É estimada a participação de 200 mil estudantes.


fonte http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/alunos-da-rede-estadual-terao-reforco-continuo-de-portugues-e-matematica/

quinta-feira, 16 de março de 2017

Alunos da rede estadual terão reforço contínuo de Português e Matemática

Programa desenvolvido em parceria com o governo federal dará suporte aos estudantes que tiveram baixo desempenho nas provas do Ideb
Ter, 14/03/2017 - 13h23 | Do Portal do Governo
Alunos do Ensino Fundamental e Médio da rede estadual paulista terão ações de reforço escolar contínuo nas disciplinas de Português e Matemática. O anúncio foi feito pelo governador Geraldo Alckmin nesta terça-feira (14) na Escola Estadual Luiz Cintra do Prado, no Jardim das Esmeraldas, Zona Sul de São Paulo.
Com investimento de R$ 20 milhões, o projeto acontecerá em parceria com o Governo Federal por meio do programa Novo Mais Educação, que vai oferecer recuperação contínua para os estudantes das 2.105 escolas estaduais com baixo desempenho no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).
A partir de 27 de março, os interessados poderão fazer o cadastro no Portal do Ministério da Educação e escolher até 10 turmas. O reforço será para alunos com dificuldades dos Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano), com aulas no contraturno em turmas com jornada de 5 ou 15 horas semanais, a critério das equipes gestoras das escolas. É estimada a participação de 200 mil estudantes.
“O objetivo é não deixar ninguém para trás. Melhorar a qualidade do aprendizado, a qualidade do ensino, com foco bastante intenso em Português e Matemática”, disse Alckmin, explicando como será a dinâmica das aulas de reforço: “No Ensino Fundamental, quem estuda de manhã, tem no contraturno o período da tarde e faz atividades pedagógico-educativas, com foco nessas duas disciplinas. E quem estuda à tarde, faz no contraturno da manhã. Para os alunos do Ensino Médio, o reforço será no seu próprio turno de estudos”.
Recursos digitais
A Secretaria também preparou um reforço de conteúdo para o Ensino Médio. As aulas serão ofertadas no horário regular a 900 mil jovens de 2.516 unidades que também tiveram dificuldade no desempenho. Para auxiliar o trabalho, as escolas são orientadas a formar grupos de estudo de acordo com o nível de aprendizagem.
Além disso, as equipes devem utilizar as plataformas digitais Foco Aprendizagem e Currículo +, criadas pela Secretaria da Educação, que reúnem os resultados obtidos na avaliação de aprendizagem e do boletim do Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de SP), além de uma série de vídeos, videoaulas, jogos, animações, simuladores e infográficos que dialogam com o currículo oficial.
Jornada de Matemática
Outra iniciativa para reforçar o ensino é o lançamento da Jornada de Matemática, mais importante competição do Estado focada na disciplina. Aberta a estudantes do Fundamental I e II e Médio, terá etapas locais, regionais e estaduais. A ideia é que a rede utilize as mesmas estratégias traçadas na preparação das OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas). Em 2016, foram 692 medalhas, entre ouro, prata e bronze conquistadas pela rede estadual paulista.
As aulas contarão com supervisão de monitores, em seleção aberta a professores, educadores aposentados e estudantes universitários. Os interessados em participar do programa como educadores devem se inscrever por meio do portal do Ministério da Educação.
fonte http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/alunos-da-rede-estadual-terao-reforco-continuo-de-portugues-e-matematica/

COMO CALCULAR SEU BÔNUS

   PROFESSOR ENTENDA COMO E CALCULADO O BÔNUS 2016 QUE SERÁ PAGO EM ABRIL


Resultado de imagem para calculos financeiros

Conforme foi informado no site da Secretaria de educação do estado de São Paulo o valor do bônus será proporcional a 0,07 ou seja 7 %  do salario que o professor recebe todo mês se a escola atingiu a sua meta total.  O calculo de 7 % deve ser multiplicado pelos  12 meses do ano.
É importante que o professor  tenha trabalhado, no mínimo, em dois terços do ano letivo considerando os 200 dias letivos,ou seja cerca  de 133 dias trabalhados.
No caso da escola que superou a meta até 120 % poderá atingir o valor do salário total.
Não esquecer que será considerado o desconto proporcional as faltas normais e de saúde. 
As faltas que não podem ser consideradas como faltas no caso do pagamento do Bônus são:licença-maternidade, licença-paternidade, adoção e férias.
Estas regras servem para todos profissionais da educação da rede Estadual de São Paulo.


quarta-feira, 15 de março de 2017

BÔNUS PARA PROFESSORES:VALE A PENA LER DE NOVO...


Publiquei este artigo em 2012 e por incrível que pareça quase nada  mudou na educação paulista. A  filosofia da campanha do polêmico ilustre  deputado Federal Tiririca de que"pior que tá não fica", não se aplica na situação dos profissionais da educação no Estado de São Paulo.

O ano de 2017 iniciou com a implementação da politica de reorganização" por baixo dos panos" em seguidos decretos e normas publicadas nos últimos meses que piora ainda mais o caos da educação paulista nas últimas décadas.

Infelizmente, quando se trata de politica educacional no estado de São Paulo a situação  pode ficar pior ! 
OS PERSONAGENS MUDARAM...SAIU SECRETARIO...ENTROU SECRETARIO...MUDOU EQUIPE DE APOIO E DIRETOR DE DRAMATURGIA ... MAS A NOVELA  DA EDUCAÇÃO CONTINUA  A MESMA...ENFADONHA...SEM GRAÇA...MEXICANA !


Bizarrices do bônus para professores

Políticas públicas de educação
Dito e feito.
Chegou o bônus e a mídia faz propaganda do tipo carnê do baú.
Uma senhora ganhou uma casa,
professores ganham até 12 mil de bônus.
Os critérios continuam transparentes como a água do Tietê.
Segundo a APEOESP, já há vários recursos em andamento.
O "bom professor" da "escola ruim" se deu mal. Tudo Isto já sabemos.
Mas a coisa ficou ainda mais bizarra.
Segundo o Estadão (?25/03/2009?) 72% dos servidores receberão bônus.
 Isto é muito estranho. 
Afinal, a própria secretaria vem batendo na tecla de que grande parte dos professores de São Paulo não está preparada para o oficio.
 Lembra do "professor nota zero"? 
Será que ele ganhou bônus?
A própria idéia do bônus vem como uma resposta à "baixa qualidade" dos docentes paulistas. 
E agora vem essa.
É bônus pra todo mundo! 
Mas tinha tanto dinheiro?
Que critérios levaram a secretaria a esta decisão? 
Não faço idéia, mas não posso deixar de notar uma situação semelhante. 
Sabe aquela prova ruim que você, professor, aplicou no início de sua carreira docente? 
Aquela prova mal formulada, fruto de certa inexperiência, que no final te obrigou a passar todo mundo para não ouvir reclamações? 
Pois é, vejo alguma semelhança entre as duas situações. 
Cada um faça seu julgamento.
Como se não bastasse, ainda há a pérola, que deixei por último.
Bizarrices do bônus. 
Segundo a Agência Estado (Estadão 27/3/2009), a equipe da Secretaria de Educação também vai receber bônus!
 Por quê? 
Ora, porque, segundo seus próprios critérios, seu trabalho foi bem feito.
A secretária Maria Helena, por exemplo, "teria direito" a 17 mil reais - dos quais "abriu mão". 
Direitos?
Abriu mão?
Que medo! 
Pensei que esta bizarrice da democracia fosse monopólio do legislativo.
"Os cerca de 5.700 funcionários do órgão receberão o bônus, mesmo não estando ligados diretamente a nenhuma escola" diz a reportagem. 
Nessas horas eu queria ter acesso ao orçamento (detalhado) da secretaria de educação (e do governo, evidentemente). 
O que estão fazendo com o nosso dinheiro? Ainda segundo o texto:
"Como são funcionários que trabalham para toda a rede, receberão de acordo com o avanço de toda a rede", afirma nota da secretaria. 
Para Marcelo Ferrari, diretor de desenvolvimento de negócios da Mercer, consultoria especializada em planejamento de benefícios, a lógica faz sentido no setor privado."
Tudo isto nos leva a perguntas mais gerais.
Que tipo de meritocracia queremos? 
Como aplicá-la nos órgãos estaduais? 
Como mesclar a lógica privada e a pública de maneira inteligente e eficaz - em termos econômicos mas, principalmente, humanos?
Será que o bônus deveria ser algo assim tão importante para os professores? 
Não há outras formas mais interessantes de recompensa?
O que falta para os professores é estímulo? 
Não será esta uma "psicologização" excessiva da questão?
Como melhorar as condições de ensino de todos os professores?
São perguntas que, para mim, deveriam estar em primeiro plano nas conversas sobre educação, no lugar de frases como "professor nota zero vai dar aulas" ou "bônus chega a 12 mil reais".

Crédito devidamente colocado.
AUTOR Rodrigo Travitzki 

PROFESSORES :O BÔNUS SERA PAGO EM ABRIL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta quarta feira 15 de março, dia da grande mobilização contra as reformas da previdência e das manifestações dos sindicatos dos  profissionais da educação, que decidiu pagar o bônus para os professores da rede estadual. 
A decisão foi amplamente divulgada pelas redes sociais através de páginas oficiais e da mídia jornalística. 
Destacou o “incrível” esforço do governo para tal pagamento e a  intenção de reajustar o salario da categoria.
Ele cita a crise econômica para explicar o incrível  valor de 0,07% de Bônus. Pasmem !
Será que  a categoria que amarga três anos sem reajuste vai engolir essa proposta ????
O pagamento do bônus que na realidade é um grande “ônus” para a educação, pois divide a categoria e desvaloriza o salário do profissional da educação  segundo o anuncio vai cair na conta em Abril.

Professores e servidores da Educação irão receber R$ 290 milhões em bônus

Cerca de 200 mil funcionários de escolas que avançaram, atingiram ou superaram metas estabelecidas pelo Idesp receberão a gratificação
Qua, 15/03/2017 - 12h23 | Do Portal do Governo
Os servidores da Secretaria da Educação do Estado vão receber durante o próximo mês de abril o pagamento do bônus por mérito. Estão na lista cerca de 200 mil profissionais, incluindo professores, diretores, agentes de organização e equipes técnicas das escolas e órgãos centrais que, este ano, vão receber quase R$ 290 milhões.
Como em 2016, o valor máximo do benefício que cada profissional receberá é proporcional a 0,7 salário extra. “Estamos fazendo um grande esforço num período de dificuldade econômica, de grande crise. O governo de São Paulo chegou a 32% no ano passado da sua receita corrente líquida investida em educação”, afirmou o governador Geraldo Alckmin.
O bônus é calculado a partir das notas do Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo). Também é considerado se a unidade avançou, atingiu ou superou a meta estipulada para o período. Os servidores precisam ainda ter trabalhado, no mínimo, em dois terços do ano letivo. No caso de faltas, haverá desconto proporcional. São permitidas por lei apenas ausências decorrentes de licença-maternidade, licença-paternidade, adoção e férias.
Além dos professores, que receberão o bônus de acordo com o resultado do nível de ensino que atuam, serão contemplados diretores, supervisores, professores-coordenadores, agentes de organização escolar, agentes de serviços escolares, assistentes de administração, secretários de escola e demais profissionais da Educação. A equipe escolar recebe conforme a média da unidade, enquanto dirigentes de ensino e supervisores recebem pela média das escolas das respectivas regiões.
Ensino Médio avança no Idesp
Pelo quarto ano consecutivo, o Ensino Médio da rede estadual avançou no Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo). O ciclo alcançou na medição 2,30, contra os 2,25 registrados em 2015.

A pontuação é a mais alta desde 2008, quando a Secretaria adotou o indicador de qualidade da educação paulista. O desempenho dos Anos Iniciais do Fundamental (1º ao 5º ano) também superou a marca anterior. O ciclo atingiu 5,40 (uma diferença de 0,15 ponto em relação aos 5,25 de 2015). A pontuação conquistada é a melhor dos últimos nove anos. Os Anos Finais (6º ao 9º ano), por sua vez, tiveram queda: as notas foram de 3,06 para 2,93.
Fonte:http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/ultimas-noticias/professores-e-servidores-da-educacao-vao-receber-r-290-milhoes-em-bonus/

Trabalhadores da educação paulista protestam no dia do circo:“Não somos palhaços!"

Trabalhadores da educação  paulista protestam no dia do circo: 
“Não somos palhaços!"
A imagem pode conter: 2 pessoas
Em diferentes cidades e estados, manifestantes saem às ruas  para protestar contra as reformas das leis trabalhistas e da previdência.
Em São Paulo, profissionais da educação listaram vários motivos para engrossar a “mobilização nacional”  dentre eles: a reorganização das escolas da rede estadual por “debaixo dos panos”  com fechamento de classes e períodos, salas superlotadas, o descaso com a categoria “O”, o  desmonte das salas de leitura, redução de PMEC ,coordenadores pedagógicos, vice- -diretores e alterou drasticamente o  módulo dos integrantes do Quadro de Apoio Escolar e do Quadro da Secretaria da Educação, etc.
A grande piada do dia foi o “pagamento do Bônus” anunciado hoje pelo governador pessoalmente e que foi alardeado como grande esforço desta administração nas redes sociais e  municiado pelos noticiários obviamente para denegrir um movimento legítimo dos trabalhadores da educação do estado. Hoje  é  o dia do circo e o recado dos profissionais da educação que estão nas ruas  é :”Não somos palhaços!”
O movimento dos profissionais da educação no ano letivo de 2017 começou com  milhares de pessoas na mobilização  do dia internacional da mulher no centro de São Paulo  , para deixar claro que  não vamos aceitar migalhas !
Segundo o boletim da APEOESP de 13/03/2017 “Uma vez mais o governo do Estado de São Paulo deixou nossa categoria sem nenhuma proposta salarial, em que pesem os quase três anos de reajuste zero. Desta vez, o secretário da Educação, em reunião realizada com a APEOESP em 13/03, relatou o posicionamento do próprio governador, que diz não ter condições de apresentar qualquer proposta e que o fará somente se, e quando, a arrecadação melhorar...” Além de não reajustar nossos baixos salários, e ainda pretender reativar a política de abonos e gratificações... “
A proposta de reajuste “zero” nos da  a sensação que “estão nos fazendo de palhaços”, estamos  completando três anos sem nenhum reajuste salarial.
Basta ! “ Não somos palhaços!”

A mobilização nacional contra as reformas trabalhistas e da previdência é uma  resposta nítida aos ataques que os profissionais da educação estão sofrendo em todos estados. “De acordo com a CNTE a reforma da Previdência pretende acabar com a aposentadoria especial do magistério tanto para os novos concursados como para quem tem menos de 45 anos, no caso de professoras, e menos de 50 anos, no caso de professores. Isso significa que quase 70% da categoria dos profissionais do magistério, em efetivo trabalho na docência, deixarão de ter direito à aposentadoria especial, sendo 66,48% professoras e 82,09% professores que se encontram abaixo da linha de corte. (Observatório de Olinda, 15/03/2017)  Fonte :http://www.cnte.org.br/index.php/cnte-na-midia/17909-greve-geral-professores-participam-de-ato-nacional-contra-reforma-da-previdencia.html
Professores a  “aposentadoria especial” é garantida em dispositivo constitucional desde 1981,foi  referendada pela Constituição de 1988. Outros profissionais da educação na  regra atual, homens se aposentam com 35 anos de contribuição e mulheres, 30. Vamos trabalhar até morrer  ou vamos lutar por nossos direitos ?????


É necessário unir forças e participar de todas mobilizações em defesa dos  profissionais da educação, pois estamos todos no mesmo barco !  

Todos são afetados ! 

sexta-feira, 10 de março de 2017

1º de Abril antecipado : Alckmin faz propaganda enganosa sobre reajuste de professores



1º de Abril antecipado
Giannazi desmascara Alckmin. É MENTIRA que o governador deu 10% de reajuste salarial para os professores. Nao passa de marketing. Ele quer esvaziar a paralização da educação marcada para o dia 15 de março.
#professormerecerespeito #giannazicomomagisterio #AlckminMentiroso

quarta-feira, 8 de março de 2017

A polêmica do pagamento do bônus em 2017



Resultado de imagem para bonus


Apesar de completar uma década ,a adoção de uma politica equivocada de Meritocracia baseada em  Bônus na Rede Estadual de São Paulo  desde 2008,  continua gerando grande polêmica entre professores , sindicatos e governo. 
Todo ano o pagamento do "bônus" se transforma em uma verdadeira novela mexicana.


Os sindicatos o sempre se posicionaram contra este tipo de meritocracia , sempre defenderam  a incorporação dos valores disponíveis ao salário dos profissionais da educação, o que terminou  ocorrendo  no ano passado. 

A postura inédita do governo em 2016 de não pagar o bônus não ocorreu simplesmente para atender as reivindicações  dos sindicatos ,na realidade foi uma estratégia que o governo usou  de justificar  a alegação de falta de recursos para reajustar os salários defasados desde 2014.
Simplesmente  “transformou” os valores do bônus em um reajuste  miserável de 2,5 % alegando estra atendendo a reivindicação antiga da categoria.

A realidade desta politica de meritocracia equivocada  do governo na ultima década  é um imenso "arrocho salarial" e a cada ano que passa o tal “bônus” se transforma em um grande  “ônus”.

Neste ano de 2017  como já podíamos imaginar, o bônus volta a ser assunto em toda rede estadual. 
Ao chegar o mês de março, a “boataria” de um possível pagamento exatamente nas datas que os sindicatos e movimentos populares marcaram para manifestações de protesto  contra o descaso com a categoria,acaba dividindo ainda mais os profissionais da educação. 

Até aqui, nenhuma novidade quando se trata da " bagunça" que é a  questão do "bônus educação" na Rede estadual de São Paulo. 

Quem acredita no ditado inglês que “Não há nada tão ruim que não possa piorar “ engana-se, pois é possível piorar e muito,  em reunião entre a  APEOESP e o  governo (6/03/17) nesta semana novamente não se chegou a " lugar algum" , a resposta do Secretário não foi conclusiva e nada de concreto foi  acertado entre sindicato e governo. 

O momento  é tão crítico para os funcionários da educação paulista que nos deparamos com uma situação no mínimo esdrúxula, pois apesar da crise enfrentada por todos estados, o estado do Maranhão está pagando  a segunda maior remuneração do País para professores com licenciatura plena e 40 horas semanais. Lembrando que o Maranhão é um dos estados mais pobres do Brasil e o Estado de São Paulo o mais rico.

O caos está imperando em meio a crise real e a alegada pelo governo, os sindicatos estão anunciando a preparação de greve em todo estado.

É preocupante a  imaginação de pessoas mal intencionadas que   não tem limites,e estão plantando boatos nas redes sociais  sobre o pagamento do "bônus", colocando o funcionalismo da educação em polvorosa.

Conseguimos a informação no boletim informativo da APEOESP , que tal pagamento e datas anunciadas  não passa de boataria de redes sociais :
” De acordo com a SEE, data de pagamento de bônus é boato. Circularam em redes sociais supostas informações sobre o pagamento de bônus nos dias 8 e 15 de março, coincidentemente as datas de nossas assembleias. O Secretário negou essa informação, qualificando-a simplesmente de boato.”
( Ter, 07 de Março 2017 /apeoesp-informa-urgente-17)

Conclusão :
O caos na educação paulista está instaurado e enraizado... Parafraseando Otto Lara Resende  a educação paulista entra ano e sai ano e continua  “onde sempre esteve”...  A diferença é que hoje a  categoria esta cada vez mais dividida e desmotivada para se mobilizar  e o único consenso é que do jeito que está não dá !

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Piso do professor estadual é menor do que o do país


FONTE  http://www.agora.uol.com.br/trabalho/2017/01/1849460-piso-do-professor-estadual-e-menor-do-que-o-do-pais.shtml

Não ao corte das funções de Mediador,
 Coordenador e Vice-Diretor!

Em reunião ocorrida na tarde de 02/01, o Deputado Carlos Giannazi, junto de um grupo de professores da rede pública de ensino, foi recebido pelo Secretário de Estado da Educação, José Renato Nalini, e sua equipe técnica.
Giannazi e os professores presentes fizeram críticas veementes às Resoluções da SEE que tratam da extinção da função de Professor Mediador Escolar Comunitário e da diminuição das funções de Professor Coordenador e de Vice-Diretor das escolas estaduais, e pediram a revogação imediata de todas elas.

Com a pressão de Giannazi, o Secretário reconheceu que as Resoluções causam um conflito de interpretação, pois precisam ser entendidas e aplicadas em conjunto. Também, afirmou que a Secretaria precisará emitir uma nota explicativa, para esclarecer que a extinção das funções de professor mediador serão apenas às escolas que possuam o Programa Escola da Família, onde essa responsabilidade será atribuída ao Vice-Diretor do Programa.
O mesmo se daria, segundo o Secretário Nalini, com a preocupação de impossibilidade de recondução do mediador à sua função, uma vez que se trata de atividade realizada por profissional que conhece profundamente o cotidiano da unidade e os problemas da comunidade escolar. Os técnicos da SEE reiteraram que, nesse ponto, é preciso esclarecer que as Resoluções 73 e 74 se complementam e, também, só se aplicam às unidade com o Programa Escola da Família.

As explicações dadas pela SEE não foram convincentes e Giannazi continuará pressionando através do Ministério Público, Tribunal de Contas e Comissão de Educação da Alesp.

É evidente que haverá impacto negativo no dia-a-dia das escolas públicas. Por essa razão, serão apresentados projetos de decreto legislativo, revogando os efeitos das Resoluções.
Fonte:http://carlosgiannazi.com.br/nao-ao-corte.html