CONHEÇA MEU BLOG PROFESSOR MEDIADOR CONECTADO...TE ESPERO LÁ!!!!
http:professormediadorconectado.blogspot.com

domingo, 7 de fevereiro de 2016

A " REORGANIZAÇÃO" DO ENSINO DE SÃO PAULO ESTA ACONTECENDO NOS BASTIDORES DAS ESCOLAS



12/01/16

Secretaria da Educação de SP permite ampliar em até 10% a lotação das salas


Uma resolução da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo oficializou a possibilidade de abertura de salas com até 44 alunos no ensino médio, quatro a mais do que a regra anterior. 

No ensino fundamental, as turmas também poderão ser maiores: 33 nos anos iniciais (1.º ao 5.º ano) e 38 nos finais (6.º ao 9.º ano). 

O governo defende que a nova regra não vai aumentar a lotação de salas e serve para colocar "um teto", antes inexistente. Especialistas dizem que a quantidade de alunos interfere no trabalho dos professores e na aprendizagem.

A regra anterior, de 2008, previa que as turmas atendessem à média de 30 alunos nos anos iniciais, 35 nos finais e 40 no médio. Nova resolução, publicada no sábado no Diário Oficial, mantém essas referências, mas traz uma novidade: "poderão ser acrescidos até 10%" de alunos aos referenciais. Na Educação de Jovens e Adultos (EJA), houve alteração da referência. O Estado aceita agora 45 alunos por sala - antes eram 40. Com a possibilidade de acréscimo de 10%, as salas podem ter 49 alunos. 

A resolução coloca que o acréscimo dos 10% só acontecerá em casos excepcionais, com a demanda "justificada". Também na resolução anterior havia a possibilidade de exceções, embora não houvesse menção a limites. 

Segundo os dados de 2014 do Censo Escolar, os mais recentes, 15% das 5.147 escolas estaduais paulistas tinham ao menos um ciclo com lotação de alunos. São 793 escolas.

Conforme revelou o jornal O Estado de S.Paulo em novembro, havia escolas com média de até 50 alunos no ensino médio. Os dados mostram que 150 escolas (3% do total) têm algum dos turnos com média por sala superior aos limites da nova resolução, ao considerar o acréscimo de 10%. 
Cheia 

Classes cheias estavam entre as queixas dos estudantes que ocuparam escolas no ano passado contra o projeto de reorganização da gestão Geraldo Alckmin (PSDB), que previa fechar 93 unidades. "Vários estudantes relatam salas com mais de 40 alunos", diz Dafine Cavalcanti, de 17 anos, que participou das ocupações. "Se ainda existem turmas lotadas, como comprova a resolução, é inadmissível fechar colégios." 

O professor Rubens de Barbosa Camargo, da Universidade de São Paulo (USP), critica a nova resolução. "Parece ser apenas uma medida de redução de custos e não para a qualidade do ensino", diz. Turmas lotadas, segundo ele, podem levar à evasão - de alunos e de docentes. "As condições de trabalho do professor pioram com isso. Ele tem problemas para acompanhar quem tem dificuldade." 

Coordenador de EJA da ONG Ação Educativa, Roberto Catelli Jr. vê com preocupação o aumento do limite na modalidade. "Aumentar o número de alunos por sala nunca é positivo. No EJA, quando se fala em aumentar esse limite, vem a redução no número de escolas", diz. "E diminui o atendimento, porque a pessoa não vai para a escola mais distante", diz. De 2010 a 2014, o número de escolas estaduais com EJA caiu 31% e o número de alunos, 26%. No Brasil, a rede física caiu 8%, enquanto a queda do número de alunos foi de 21%. 

Teto 

O chefe de gabinete da Secretaria de Educação, Fernando Padula, afirma que a resolução traz uma diretriz mais clara para formar as classes. "A ideia é criar uma trava no limite, que não existia", diz ele, que ressalta serem residuais os casos de lotação. "Você tem lugares em mananciais, de regularização fundiária, onde não se consegue construir novas escolas." 

Parecer do Conselho Nacional de Educação preconiza limites por sala ainda menores: até 30 no ensino médio. Para Padula, a redução a esses níveis, hoje, é impossível do ponto de vista orçamentário. "Quem propõe diminuir tem de propor como pagar isso. Teria de contratar o dobro de professores." Sobre o EJA, ele nega que haverá queda de oferta. "Já há atendimento com 45 alunos. O Estado não fecha sala onde há demanda." 

São Paulo tem uma média de 34 alunos por sala no ensino médio. No Brasil, a média é de 31. Pelo critério de lotação da rede paulista, de 15%, a média das redes estaduais do País é menor: 9,6%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte - UOL

ORIENTAÇÕES PARA EVITAR CONFUSÕES NAS PERÍCIAS MÉDICAS AGENDADAS PARA O MAGISTÉRIUO DE SÃO PAULO


Quinta, 04 Fevereiro 2016 18:35

Orientações a respeito das Perícias Médicas


Orientações a respeito das Perícias Médicas
As perícias médicas agendadas para uma Unidade de Perícia Médica – UPM, através do sistema GDAE, solicitadas até o dia 13/01/2016, com datas para realização até31/05/2016, nos termos do Decreto nº 61.800, de 12 de janeiro de 2016, poderão ser dispensadas, caso a analise documental seja suficiente para a concessão da respectiva licença-saúde. 

Essa análise ocorrerá nas seguintes situações: 
  1. Quando o prazo de afastamento indicado pelo médico assistente, no atestado ou relatório, já estiver expirado.
  2. Quando o atestado médico não informar o período de afastamento.

A Unidade responsável por esses agendamentos encaminhará à Diretoria de Ensino o protocolo do agendamento, juntamente com o atestado ou relatório médico original, impreterivelmente, até o dia 17/02/2016.

Para tanto, o servidor deverá apresentar, em sua Unidade Administrativa, o protocolo de agendamento e o atestado ou relatório médico original, em envelope individual, indicando o NOME, RG e CPF, bem como o nome da Escola e Diretoria de Ensino.

Esse envelope deverá ser lacrado e assinado pelo próprio servidor.

Orientamos que o servidor tire cópia de todos os documentos envelopados e solicite um recibo dos mesmos, com data e assinatura de quem recebeu o envelope.

Caso o servidor tenha mais uma perícia agendada até 13/01/2016, deverá fazer um envelope para cada solicitação de licença para tratamento de saúde.

Os servidores não deverão comparecer às perícias agendadas até 13/01/2016, devendo aguardar a publicação do resultado no Diário Oficial do Estado.
Nos casos em que a documentação médica não for suficiente para a análise documental, o servidor será convocado pelo DPME para realizar perícia.
Impreterivelmente, até o dia 22/02/2016, a Diretoria de Ensino deverá encaminhar o envelope com a documentação para o Centro de Qualidade de Vida – CEQV/CGRH, que enviará ao DPME – Departamento de Perícias Médicas do Estado, para análise documental.
Se a documentação não for entregue na Diretoria de Ensino até o dia 17/02/2016, o servidor deverá aguardar a publicação do resultado no Diário Oficial, com os seguintes termos: “análise prejudicada” e, deverá interpor pedido de reconsideração para o Diretor do DPME, no prazo de 30 (trinta) dias, anexando o atestado médico original.


REAGENDAMENTO PARA PERÍCIAS CUJO O PRAZO DE LICENÇA NÃO ESTIVER EXPIRADO:

Os servidores cujo prazo de licença saúde “não estiver expirado”, as perícias serão REAGENDADAS pelo DPME, com convocação a ser publicada no Diário Oficial do Estado.
Informamos que já foram publicadas duas listas de convocação, conforme DOE de 19 e 20 de janeiro de 2016.
Informamos, também, que nos agendamentos realizados pelo Sistema GDAE, nos dias 14 e 15 de janeiro de 2016, as perícias também serão reagendadas, com convocação pelo Diário Oficial.

PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO DE PERÍCIA APÓS 18/01/2016:

A partir de 18/01/2016, as inspeções médicas deverão ser solicitadas pelo Servidor, na sua Unidade Administrativa, e serão agendadas diretamente junto ao DPME, pelo site.
Por cautela, orientamos que o servidor sempre solicite uma cópia do agendamento e mantenha cópias dos documentos que serão apresentados na perícia
FONTE : http://www.cpp.org.br/index.php/informes/item/8954-orientacoes-a-respeito-das-pericias-medicas

sábado, 6 de fevereiro de 2016

'Manual' ilustrado para consultar o IDESP 2015"

'Manual' ilustrado para consultar o IDESP 2015"

Qdo a página http://www.focoaprendizagem.educacao.sp.gov.br/ abrir, clique em ACESSAR.
Irá abrir uma janela para vc colocar login e senha.
O Login é o código CIE da Escola seguido de @educacao.sp.gov.br.

 O Login é o código CIE da Escola seguido de @educacao.sp.gov.br.

A senha é o o código CIE da Escola.



 Depois clique em " Resultados Educacionais".
Finalmente Clic em  IDESP.

Postado por Monica Alves Ubt
Fonte :https://www.facebook.com/groups/professoresreadaptados.sp.gov/

COMO ENTENDER O PAGAMENTO DO BÔNUS

A data do pagamento ainda não foi divulgada,mas convém lembrar algumas regras para o recebimento do Bônus:é importante lembrar o bônus é pago a todos os funcionários da educação,ou seja, diretores,vice,coordenadores,inspetores,pessoal da secretaria da unidade escolar,pessoal das diretorias de Ensino e da secretaria da educação, das escolas que atingiram ou superaram as metas estabelecidas.
Para receber o bônus é necessário  ter atuado, no mínimo, em dois terços do ano, portanto o funcionário deve ter trabalhado ao menos em 244 dias.
No caso de faltas, haverá desconto proporcional no valor do benefício.
A lei determina que são desconsideradas as ausências justificadas como  licença-maternidade, licença-paternidade, adoção e férias.
Lembramos que o Idesp é o fator principal que compõe o bônus e  que a  frequência do servidor também integra este cálculo e estes são  somados ao índice socioeconômico. 
Cada escola tem uma meta estipulada para o IDESP e  serve como base para o cálculo da bonificação.
O valor do bônus depende do cumprimento da meta de sua unidade. É necessário  considerar o índice de partida  que é o índice alcançado no ano anterior  para fixar o novo índice , a unidade escolar tem esse cálculo como  meta e aquela que  alcançar 120% da meta receberá 120% de bônus que pode chegar até  2.9 salários, aquela que alcançar o equivalente a 100% da meta, terá 100% do bônus, 50% recebe 50% e assim por diante. 

BÔNUS 2015 :Resolução dispõe de pagamento da Bonificação por Resultados

Resolução Conjunta CC/SG/SF/SPG-14, de 18-11-2015
Dispõe sobre a fixação das metas para os indicadores globais da Secretaria da Educação, para fins de pagamento da Bonificação por Resultados – BR, instituída pela LC 1.078-2008, para o exercício de 2015
O Secretário-Chefe da Casa Civil, e os Secretários de Governo, da Fazenda, e de Planejamento e Gestão, considerando o disposto no art. 6º da LC 1.078-2008, e no artigo 8º da Resolução Conjunta CC/SG/SF/SPG-13, de 18-11-2015, resolvem:
Artigo 1º – Para o exercício de 2015, as metas para os indicadores globais da Secretaria da Educação, a que se refere o artigo 1º da Resolução Conjunta CC/SG/SF/SPG-13, de 18-11-2015, para fins de pagamento da Bonificação por Resultados – BR, instituída pela Lei Complementar nº 1.078, de 17 de dezembro
de 2008, ficam fixadas em:
I – 4,90 (quatro inteiros e noventa centésimos) para o Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São
Paulo (IDESP) do 1º ao 5º ano do ensino fundamental da rede estadual de ensino;
II – 2,79 (dois inteiros e setenta e nove centésimos) para o Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (IDESP) do 6º ao 9º ano do ensino fundamental da rede estadual de ensino;
III – 2,06 (dois inteiros e seis centésimos) para o Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (IDESP) do ensino médio da rede estadual de ensino.
Artigo 2º – Esta resolução conjunta entra em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a 1º de janeiro de 2015.h


Após turbulências em 2014 o IDESP educacional das escolas paulista alcança índice histórico.

Parece inacreditável que após tantas turbulências na rede publica paulista ,o ASEE apresente números  consideráveis de  melhora nos resultados do Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo) e do Saresp (Sistema de Avaliação e Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) relativos a 2015.Segundo a SEE as escolas estaduais de São Paulo alcançaram  no ano letivo de  2014, o maior índice dos últimos cinco anos.

São Paulo registra o melhor desempenho na educação estadual em oito anos

Categoria
Resultados do Saresp em Matemática e Língua Portuguesa é o melhor desde 2008
04/02/16

São Paulo alcançou o melhor índice da história na educação pública estadual. É o que demonstram os resultados do Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo) e do Saresp (Sistema de Avaliação e Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) relativos a 2015, que a Secretaria da Educação do Estado divulga nesta quinta-feira (4). Nesta sexta-feira, dia 5, as escolas receberão os resultados, possibilitando planejamento inédito de toda a rede para 2016.

Principal indicador de qualidade das escolas paulistas, o Idesp apresentou no ano passado melhora em todos os níveis de ensino. E acelerou o ritmo do Estado rumo às metas estabelecidas em 2008 para todos os ciclos em 2030. Em 2015, São Paulo chegou ao índice 5,25 nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (a meta é 7,0 para 2030). Nos Anos Finais do Fundamental, alcançou 3,06 (a meta para daqui a 15 anos é 6,0). No Ensino Médio, 2,25 (a meta é 5,0 em 2030).

“Os resultados do Idesp e Saresp 2015 são uma beleza. Isso não é um ranqueamento. É um balizador. Esses resultados são fruto de um processo permanente e, por isso, São Paulo faz anualmente o Idesp e o Saresp com a seriedade da Vunesp”, disse o governador Geraldo Alckmin, que destacou a grande evolução nos Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental, e no Ensino Médio. “Também tivemos avanços impressionantes em escolas de ciclo único e de tempo integral, que em três anos teve um salto de mais de 60%." 
Para o cálculo do Idesp, a Educação une o resultado do Saresp em provas de Língua Portuguesa e Matemática a taxas de aprovação, reprovação e abandono. A comparação entre os anos de 2014 e 2015 mostra avanço importante. No total, a rede estadual avançou de 4,76 para 5,25 nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Nos Anos Finais, de 2,62 para 3,06. No Ensino Médio, de 1,93 para 2,25. 

Os Anos Finais do Fundamental e o Ensino Médio tiveram o maior avanço da história do Idesp: 0,44 e 0,31, respectivamente. Os Anos Inciais do Fundamental tiveram o segundo melhor resultado da história (0,49), perdendo apenas para o avanço de 2008 para 2009 (0,61). Somente nos Anos Iniciais, as escolas paulistas já cumpriram 74,4% (5,25) da meta (7) estabelecida para 2030. Nos Finais do Fundamental, o índice de 3,06 representa 50,6% da meta 6. No Ensino Médio, os 2,25 são 44,8% da meta 5.

“É evidente que há muito a melhorar, que há um longo caminho para que esses índices sejam comparados aos dos melhores países do mundo em educação. Mas os resultados mostram que ações empregadas estão repercutindo positivamente no aprendizado dos estudantes”, afirma o secretário de Estado da Educação, José Renato Nalini. 

Saresp

O Saresp de 2015 teve provas realizadas em 24 e 25 de novembro. A rede estadual paulista obteve também os resultados mais avançados nos últimos oito anos. Provas de Língua Portuguesa e Matemática foram aplicadas para todos os alunos do 3º, 5º e 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio. Todas as séries tiveram crescimento em Matemática, com o melhor resultado da história desde 2008. É o segundo ano seguido que os resultados da Educação melhoram em praticamente todas as séries.


Em Língua Portuguesa, somente o 3º do Ensino Fundamental apresentou declínio em relação a 2014. Todas as outras séries avançaram na comparação com o ano anterior. O 3º ano do Médio teve o melhor resultado desde 2012. Já 5º, 7º e 9º anos do Fundamental tiveram o melhor resultado desde 2008.
Além do resultado médio da rede por série avaliada, a Educação divulga percentuais de alunos em quatro níveis: Abaixo do Básico (não aprenderam o suficiente), Básico, Adequado e Avançado (estes três últimos aprenderam o que deveriam ou mais). Tanto em Língua Portuguesa quanto em Matemática, todas as séries ampliaram o número estudantes com conhecimentos Básico, Adequado e Avançado, reduzindo, assim, os alunos com nível Abaixo do Básico.

Foco Aprendizagem

Entre as novidades previstas pela Educação para ampliar ainda mais o rendimento dos estudantes da rede está a plataforma “Foco Aprendizagem”. Este ano, professores e diretores de escolas terão um diagnóstico mais preciso sobre as habilidades e competências de cada turma por disciplina e receberão um cardápio de intervenções a fim de melhorar ainda mais o nível de aprendizagem dos alunos. O site reúne ainda dados das últimas edições do Saresp e é utilizado como referência na organização dos planos de aula e de reforço.

Ações de 2015

Em 2015, pela primeira vez, a rede estadual utilizou a tecnologia no reforço de conteúdo dos estudantes dos ensinos Fundamental e Médio. O programa “Aventuras do Currículo+” indicou mais de 205 mil alunos para aulas extras de Língua Portuguesa e Matemática. As atividades são feitas com auxílio do computador (da sala do Acessa Escola ou de casa). Desde o primeiro semestre, estudantes do Ensino Médio tiveram à disposição o programa Geekie+, plataforma digital que reúne planos de estudos personalizados com base na prova do Enem. 

Ainda foi colocado em prática o novo sistema de Avaliação e Aprendizagem em Processo: desde o segundo semestre, as provas corrigidas foram cadastradas em um banco de dados e os resultados devolvidas às escolas. O exame, obrigatório em todas as escolas com 2º do ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio, tem como objetivo diagnosticar o desempenho dos alunos no semestre anterior e apontar estratégias para melhorar o aprendizado até o fim do ano letivo.

http://www.educacao.sp.gov.br/noticias/saopaulo-registra-o-melhor-desempenho-na-educacao-estadual-em-oito-anos

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

FÉRIAS SÃO PARA DESCANSAR


Neste "finalzimho" de férias...reflita...ainda da tempo pra 'RELAXAR'  curtir.afinal de contas...você merece !


FÉRIAS SÃO PARA DESCANSAR



Professor é uma das principais funções de uma sociedade que se renova a cada 20 anos e, desde pequeno, vejo que os professores são tratados como máquinas que, mesmo em férias, revistas e artigos trazem reflexões, para eles, dizendo no que pensar e repensar neste momento de descanso. Isso é uma perda de tempo!
Aposto que todos que lerão este artigo pensarão e dirão que estou sem meus sentidos e ficarão estupefatos em lerem isso! Mas volto a afirmar, férias de julho são para descansar.
Digo isso com propriedade, porque durante o primeiro semestre somos “massacrados” por todos os lados para fazermos um trabalho reflexivo, avaliativo e positivo. E em todos os dias e finais de semanas, nós, professores, usamos nosso tempo, sem recebermos por isso, criando e corrigindo trabalhos e avaliações, além de lermos e repensarmos nossas práticas em sala e planejarmos, via plano de aula, os próximos conteúdos. Ufa! Quanta coisa!
Então, chegando ao fim do segundo bimestre, todos: alunos e professores, pedimos por férias e estamos nelas. Agora, para quê ficar dizendo que professor nas férias precisa repensar suas estratégias e planejar futuros passos? Acho totalmente desnecessário. Tendo em vista que em nenhuma profissão, alguém sai em férias e fica repensando suas estratégias.
Professor é humano e precisa descansar a mente como profissão. Ler, aprender e refletir ficará por conta de cada um. Mas não podemos fazer com que isso vire algo obrigatório para a profissão.
As férias existem para fazer com que o ser humano tenha uma “liberdade” mental, para que, ao voltar, possa ter novas visões e tenha ânimo para seus novos desafios. Portanto, esta é a hora de curtir a família. Assistir a um bom filme. Ler um bom livro e ficar com pessoas que durante o semestre não há tempo para compartilhar risadas e momentos.
O refletir sobre estratégias virá quando estiver relaxado. Assim, quando achar algo pertinente à aprendizagem para seus alunos no próximo semestre, irá sorrir, sentindo saudades da sala de aula. Quando isso acontecer, saiba que suas férias estão sendo “incrivilhosas” e quando voltares à escola será com 100% de estímulos positivos, transformando a saudade em um ambiente propício a um pleno aprendizado.
Divirta-se professor!
Fonte https://professoralexdefranca.wordpress.com/dicas/dicas-para-diretores/artigo-ferias-sao-para-descansar/

domingo, 17 de janeiro de 2016



A EQUIPE ESCOLAR NÃO PODE SER AMIGA, MAS, SIM, COMPANHEIRA



 O que eu vou escrever aqui esta semana vai parecer até meio sem “noção”, mas espero que reflita e entenda a minha visão educacional. Afirmo com todas as palavras que a equipe escolar não pode ser amiga, mas sim companheira. O que muda? Tudo! Quando você é amigo, muitas vezes, verifica que seu colega está fazendo algo que poderá prejudicar o aluno e a escola e, por causa desta amizade, você deixará de falar algo, por saber que ele poderá ficar chateado e, muitas vezes, sem falar com você. Levando para o lado pessoal, começando as intrigas e fofocas que é praticamente um câncer na escola.
Já vi professores enraivados com esta situação. Não conseguem levar para o lado profissional, replicando a mensagem de que professor X é falso ou que Y quer se aparecer na escola ou que a Z não sabe mais que ela para vir criticar o trabalho feito.
Já vi professores ficarem brigados por um tentar ajudar a escola e achar que quer puxar “o seu tapete”. Daí eu trago a confirmação de que não podemos ser amigos. Para ficar mais claro, se um coordenador for muito amigo de um professor, como este poderá chamar sua atenção? Alguns já me responderam que quando se tem amizade, é mais fácil de fazer uma chamada de realidade do trabalho, mas respondo que não! Confirmo que não! E reafirmo que NÃO! Fica mais fácil de conversar ou indicar caminhos quando o grupo entende que cada um tem sua função e que o mesmo terá de desenvolvê-la pensando no bem estar do aluno, da escola e da equipe escolar.
No setor jurídico, os conflitos são mais tensos que na Educação, mas lá os profissionais conseguem discernir o joio do trigo, pensando que a “chamada” foi para o seu crescimento. Na escola, não há esta compreensão, os profissionais costumam levar para o lado pessoal e com isso se forma “panelas”, “grupos” e ninguém avança.
Cada hierarquia tem seu perfil e regulamento do que pode ou não fazer, faça dela uma “bíblia” e esteja pronto para fazer o que realmente é necessário e, se não estiver bem, o coordenador pedagógico está lá para ajudar. Caso o problema esteja com o diretor, a supervisão estará lá para auxiliar, mas cada um fazendo o seu trabalho. Não entenda que só porque ela é sua amiga que poderá fazer o que achar melhor, pois a outra pessoa pode ter a visão de que cada um faz sua parte e é daí que se tem um choque de visões.
Quando se tem amizade, se tem sentimentos, e fica difícil de fazer o que é para ser feito. Quando se tem companheirismo, ficará mais fácil, porque um ajudará o outro e, quando for preciso, intervirá para alcançarem, juntos, a Educação de qualidade.
Fui professor em diversas escolas e já vi coordenadores dizendo “farei a intervenção com tal professor porque sou mais amiga dele e você faz com o outro, porque você tem mais amizade” – se a pessoa responder: “não. Faça com os dois professores, porque você é a coordenadora do ensino fundamental I. É sua obrigação. Eu farei com os meus professores, que são do fundamental II”. Tenho certeza de quem recebeu a resposta ficará muito magoada, pois entenderá que não são “amigas”. Cria-se um clima tenso e cada uma vai por si. Mas a visão foi distorcida. Mesmo com a resposta, o receptor da mensagem tinha de entender que realmente é minha obrigação e que se eu assumir o meu cargo e, a outra, o dela, juntas, poderemos chegar a algum lugar.
Em muitas escolas, tive problemas com isso e tive de “apagar incêndio” por visões distorcidas e mostrar que não era nada contra o profissional. Uma vez estava explicando um conteúdo de Literatura e um professor bateu à porta e pediu para falar com tal aluna, eu disse que não. 
O professor ficou estarrecido. Mas ele precisava saber que quando o aluno sai e ele perde minha explicação, voltará confuso e poderá não ir bem às avaliações de classes e de escolas e quem levará a culpa? Mas ele entendia que pelo fato de ser “amigos” eu liberaria sem hesitar, mas eu sou companheiro, não amigo.
E o que é ser companheiro em uma escola? É quando você se une com outros profissionais com o mesmo objetivo. Ajuda-o, mesmo se for para intervir e é ajudado. Para isso acontecer, cada um precisa saber do seu papel na aprendizagem para o sucesso do aluno e da escola. Após, criarem ações coletivas para isso.
A coordenação Pedagógica precisa deixar claro qual é o objetivo da escola e qual é o papel de cada profissional para juntos chegarem ao sucesso educacional.
A inimizade também faz parte para a desunião da equipe. Pois se professor Z não gosta do Y, começará uma disputa inútil dentro da escola, que ninguém sai ganhando ou perdendo.
Pare de colocar as suas impressões nas pessoas, coloque apenas o companheirismo, não importa quem seja, entenda que tanto ela quanto você estará lá para juntos chegarem a algum lugar.
Então, se você quer ser amigo de alguém, seja, mas do portão para fora. Do portão para dentro, você é um dos pilares para levantar o conhecimento e mostrar ao aluno o seu sucesso. 
Com o seu pilar e de seus colegas, a escola ficará erguida com muita força e o sucesso reinará por muito tempo. Sem fofocas, intrigas e lamentações.
Fonte : https://professoralexdefranca.wordpress.com/dicas/dicas-para-diretores/a-equipe-escolar-nao-pode-ser-amiga-mas-sim-companheira/


quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

PROFESSOR FOI ATACADO COM MORDIDAS NA ORELHA POR PREFEITO QUE NÃO PAGOU OS SALÁRIOS NO ÚLTIMO TRIMESTRE.

Esse tipo de notícia  causa sentimentos opostos,não sei se acho hilária e ridícula ou ultrajante  e revoltante ,parece até piada de mal gosto

Prefeito morde orelha de professor que cobrou três meses de salários atrasados

Paulo José da Silva, conhecido como PJ
Postado em: 19/12/2015
Paulo José da Silva, conhecido como PJ
Registrou boletim de ocorrência da Delegacia de Barras na manhã deste sábado (19) o professor de educação física Paulo José da Silva, conhecido como PJ. Ele teve sua orelha mordida pelo prefeito municipal de Boa Hora, Zé Resende, durante festa de colação de grau da escola Cecília Coelho de Resende, realizada na noite de ontem (18), no Ginásio Luiz Mamede, em Boa Hora.
O professor  informou que se assustou com a mordida, pois nunca esperou uma reação desta. “Do nada, ele apareceu e mordeu minha orelha na frente dos estudantes, país dos alunos, padrinhos e convidados, só por que perguntei pelo meu pagamento que está atrasado há três meses”, conta Paulo José. O professor é funcionário da escola Cecília Coelho de Resende.
O ato tresloucado do prefeito repercutiu mal nas redes sociais. Não é a primeira vez que o prefeito reage com violência segundo Maria Raimunda Júlio:  “Esse prefeito está viciado. Na festa de aniversário dele, deu um tapa em um rapaz e agora mordeu a orelha do pobre do PJ, meus deus!”, comenta indignada a internauta.
“E eu que pensei já ter visto de tudo no mundo. É inaceitável uma situação dessa. Onde já se viu um prefeito agir como canibal? Sinceramente, é lamentável o rumo que essa história está tomando. E tudo por causa de um salário que é direito dos professores. Que vergonha”, destaca Tuane Paulino.
A história pegou mal para o prefeito que não está com a popularidade muito em alta por conta dos atrasos de salários, contas reprovadas no Tribunal de Contas do Estado (TCE) repetidas vezes e a vontade de querer demitir servidores efetivos.
Débora Karine em comentário no Facebook, disse: “Lamentavelmente a atitude dessa pessoa! Espero que a população considere esse tipo de atitude sem falar na real situação da cidade, levando a resposta às urnas!”,  disparou.

Solidários, a categoria dos professores esperam que alguma medida punitiva seja aplicada contra o prefeito. Além da polícia, aguardam um posicionamento do Sindicato do Servidores Municipais.
fonte :  http://realidadeemfoco.com.br/prefeito-morde-a-orelha-de-professor-que-cobrou-tres-meses-de-salarios-atrasados/

CLIP "O TRONO DE ESTUDAR" BOMBOU NA NET EM APOIO AO MOVIMENTO DOS ESTUDANTES PAULISTAS.



O ano de 2015 foi marcado pelo movimennto dos estudantes de São Paulo que lutou contra  a politica de reorganização do ensino que estava sendo imposta goela abaixo do cidadão paulista. 
Foi  mais de 1 mês de de uma corajosa resistência dos estudantes que tomaram" posse" daquilo que já lhes pertencia,ou seja,as escolas públicas que seriam fechadas ou transformadas .
Estes alunos que ao contrário do que muitos pensavam não foram manipulados por partidos,sindicatos ou movimentos partidários ,pelo contrário,assumiram o papel de "sujeitos" do movimento em defesa da escola pública retomaram suas escolas  e reescreveram a história do ensino público de São Paulo, a mídia  manipulada,a repressão da policia e demais ataques descarados daqueles que deveriam zelar pela educação das novas gerações  foram derrotados.


As escolas foram "ocupadas" e não invadidas,a "   dentro das escolas, o apoio dos artistas  na" Virada Ocupação", a mobilização nas escolas  e os protestos na rua culminaram com o "recuo" do governo que  voltou atrás e suspendeu a reorganização,mas a luta não acabou,a  promessa de  novas discussões para o ano que vem é a indicação que a mobilização precisa continuar e buscar apoio em todos setores da nossa sociedade,a nossa luta agora saiu da reorganização e atingiu o patamar da educação publica com qualidade e seriedade. 

O ano de 2016 promete ser o ano da grande virada na educação publica paulista e quem sabe até brasileira,pois o movimento dos alunos paulista já fez escola e o pessoal de Goiás está no rastro  deste "cometa" que vai agitar os debates sobre educação pública e como melhorar a qualidade da educação. O estudante deixou o papel de coadjuvante  para  assumir o  protagonismo desta nova história que esta sendo escrita na educação deste país..



Esta sendo  formanda uma rede de pessoas que querem continuar apoiando o movimento dos secundaristas paulistas no ano que vem. E você, apoia?

Inscreva-se em: bit.ly/todoscomosestudantes




Chico Buarque, Dado Villa-Lobos e Zélia Duncan, entre outros, gravaram "O Trono do Estudar", de Dani Black, em homenagem à luta dos secundaristas contra o fechamento de escolas


Fonte: Rede Brasil Atual
De autoria do compositor Dani Black, a música O Trono do Estudar ganhou visibilidade a partir das manifestações de estudantes contra a “reorganização” proposta pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), em São Paulo, que pretendia fechar ao menos 94 escolas da rede pública. 
Recentemente, Chico Buarque, Dado Villa-Lobos, Paulo Miklos e mais 15 nomes da MPB entraram em estúdio para gravar uma versão da canção.
Após ser chamado para participar do evento organizado pelos estudantes, Virada Ocupação, realizado nos últimos dias 6 e 7 – que reuniu artistas como Tiê, Criolo, Pitty e Emicida –, Dani Black postou uma composição nas redes sociais em apoio à luta dos secundaristas. 
Rapidamente, a música se espalhou até chegar ao conhecimento dos artistas que apoiaram as manifestações.
No Facebook, Dani Black diz que “no Brasil, como em qualquer país, o estudar tem que ser o Rei". 
Ele conta que fez a música na madrugada do dia 7, para cantar no show que ele e outros músicos fariam na Virada Ocupação. "E com maior honra. Vamos Brasil. Ninguém tira o trono do estudar!"
"Em apenas dois dias, a música se espalhou pela rede de modo violento, tendo milhares de compartilhamentos e mais de 500 mil visualizações. Mas melhor do que isso: virou ação", escreveu o músico.
Após o governo do estado suspender a reorganização, no último dia 4, os estudantes passaram a desocupar as escolas aos poucos. 
Eles prometem continuar engajados na pauta da educação pública de qualidade para todos. Um manifesto publicado por estudantes em redes sociais aponta a continuidade do movimento.
 “É importante que fique claro que estamos saindo das escolas, mas não estamos saindo da luta. E que essa escolha de maneira nenhuma significa ceder às pressões do governo do estado e das entidades burocráticas.”
fonte:http://www.corujaonews.com.br/index.php/us-news-2/item/1323-destaque