CONHEÇA MEU BLOG PROFESSOR MEDIADOR CONECTADO...TE ESPERO LÁ!!!!
http:professormediadorconectado.blogspot.com

terça-feira, 31 de março de 2015

PASSO A PASSO PARA VISUALIZAR O BÔNUS NA INTERNET


Este passo a passo é complicado pois é o primeiro acesso a esta opção no GDAE,ó site só disponibilizou esta opção hoje.

ENTRAR NO SITE DA EDUCAÇÃO
CLICAR NO ESPAÇO INTRANET
ABRE PÁGINA DO GDAE
LOGIN(O MESMO DO GDAE )
ABRE PÁGINA ESPAÇO DO SERVIDOR
BARRA DE LINKS ENTRA EM SERVIÇOS
NOVA JANELA RECURSOS HUMANOS
ABRE JANELA CONSULTA BONIFICAÇÃO
ENTRA NOVAMENTE NA TELA DO GDAE
PREENCHE O LOGIN
CLICA OBTER ACESSO
PREENCHE OS DADOS
VOLTA AO GDAE
FAZ LOGIN NOVAMENTE
CLICA ENTRAR
OPÇÂO SISTEMAS
APARECE BONIFICAÇÃO POR RESULTADOS
CLICA AVANÇAR
GERENCIAR INTRANET
CONSULTA POR RG
PESQUISAR
ÚLTIMO QUADRO SAI TODOS OS DADOS DO BÔNUS

DIAS LETIVOS/FALTAS/VALOR DA PRIMEIRA PARCELA E VALOR DA SEGUNDA PARCELA

Consulta individual do Bônus no GDAE




Orientação enviada para escolas:
Senhor Diretor de Escola,
Tendo em vista que a Bonificação por Resultados 2014 será efetuada em parcelas, informamos que estará disponível no GDAE no dia 31/03/2015, a partir das 8:00 hs, consulta individual da Bonificação por Resultados, do valor total que faz jus e do valor de cada parcela (valores brutos), observando que o usuário deverá obter acesso ao sistema Bonificação por Resultados para poder efetuá-la .

Solicitamos divulgar o contido no presente aos interessados sob sua jurisdição.

DEAPE/CGRH
30/03/2014

domingo, 29 de março de 2015

PAPO DE PROFESSOR: BLOG PAPO DE PROFESSOR CHEGA EM UM MILHÃO DE ACESS...

PAPO DE PROFESSOR: BLOG PAPO DE PROFESSOR CHEGA EM UM MILHÃO DE ACESS...: AGRADEÇO A TODOS AMIGOS E LEITORES !

BLOG PAPO DE PROFESSOR CHEGA EM UM MILHÃO DE ACESSOS !

AGRADEÇO A TODOS AMIGOS E LEITORES !



S.O.S EDUCAÇÃO

Já é possível ver o valor do BÔNUS provisionado

Segundo noticias das redes sociais,já é possível ver o valor do BÔNUS  provisionado nos extratos do Banco do Brasil e na internet.. 
Quem esta ansioso para saber os valores vale a pena tentar da uma olhadinha antes de 31 de março.



Para entender o valor pago  leiam o que foi publicado na  Resolução SE 16, de 27-3-2015
Estabelece normas relativas à Bonificação por
Resultados - BR, instituída pela Lei Complementar
1.078, de 17-12-2008, no DOE Executivo I, na parte de Educação. Se entendi bem, para efeito de pagamento, será considerada a média dos 12 meses de 2014, excetuando-se as faltas. Se ultrapassou a meta = 2,9 salários; se atingiu = 2,4 salários; 50% da meta = 1,2 salários. A partir daí, proporcional à % atingida da meta. Não se esqueçam que quase todas as faltas são computadas e que é cobrado imposto de renda cumulativo, ou seja, sobre o total que você receber em março! Outras informações, também na LC 1078/08, que institui a bonificação por resultados.

GABINETE DO SECRETÁRIO
Resolução SE 16, de 27-3-2015
Estabelece normas relativas à Bonificação por Resultados - BR, instituída pela Lei Complementar1.078, de 17-12-2008
O Secretário da Educação, à vista do disposto na Lei Complementar 1.078, de 17-12-2008, e na Resolução Conjunta CC/ SG/SF/SPG 3, de 27-03-2014, Resolve:
CAPÍTULO I
Do direito à percepção da Bonificação por Resultados - BR
Artigo 1º - A Bonificação por Resultados - BR será paga ao servidor das unidades de ensino ou administrativas da Secretaria da Educação que tenha participado do processo para cumprimento das metas, com pelo menos 2/3 (dois terços) de efetivo exercício no período de avaliação.
Parágrafo único - Obedecido ao disposto no caput deste artigo e nos termos desta resolução, a Bonificação por Resultados - BR também será paga ao servidor que, durante o período de avaliação:
1. ingresse ou passe a ter exercício na Secretaria da Educação;
2. seja afastado ou transferido das unidades administrativas da Secretaria Educação;
3. venha a se aposentar ou falecer, ou seja exonerado ou dispensado.
Artigo  - A Bonificação por Resultados - BR será devida também ao servidor que conte com pelo menos 2/3 (dois terços) de dias de efetivo exercício no período de avaliação, nos termos do inciso VI do artigo da Lei Complementar 1.078 de 17-12-2008, na forma estabelecida em decreto, e que se encontre afastado:
I - com fundamento na Lei Complementar 343, de 6 de janeiro de 1984; e
II - para os fins do Programa de Ação de Parceria Educacional Estado-Município.
Artigo 3º - Na determinação da participação do servidor no processo para cumprimento das metas a que se refere o artigo 1º desta resolução deverão ser desprezadas as frações dos dias de efetivo exercício.
CAPÍTULO II
SEÇÃO I
Dos critérios para cálculo da Bonificação por Resultados - BR
Artigo 4º - A Bonificação por Resultados - BR será paga na proporção direta do cumprimento das metas do indicador global definido para cada unidade de ensino ou administrativa onde o servidor estiver desempenhando suas funções, observado o disposto no caput do artigo 1º desta resolução.
Artigo 5º - O cumprimento de cada meta, de que trata o artigo 4º desta resolução, será apurado pelo Índice de Cumprimento de Metas - ICM, conforme definido na Resolução Conjunta CC/ SGP/SF/SPDR-3, de 27-03-2014.
Artigo 6º - Para fins de determinação da Bonificação por Resultados - BR, os servidores da Secretaria da Educação serão remunerados de acordo com o Índice de Cumprimento de Metas - ICM, na seguinte forma:
I - os servidores que atuam nas unidades escolares receberão de acordo com o Índice de Cumprimento de Metas - ICM do nível de ensino da unidade escolar a que estão vinculados;
II - os servidores que atuam nas unidades escolares e não estão vinculados a um nível de ensino específico receberão de acordo com o Índice de Cumprimento de Metas - ICM agregado dessa unidade escolar, calculado através da soma das médias ponderadas de cada uma das parcelas que compõem os Índices de Cumprimento de Metas - ICM dos níveis de ensino avaliados, utilizando como peso o número de alunos avaliados;
III - os servidores que atuam nas Diretorias de Ensino receberão de acordo com a média ponderada dos Índices de Cumprimento de Metas - ICM das unidades escolares vinculadas à sua respectiva Diretoria de Ensino, utilizando como peso o número de alunos avaliados;
IV - Os servidores que atuam na administração central receberão de acordo com a média ponderada dos Índices de Cumprimento de Metas - ICM de todas as unidades escolares da rede estadual de ensino, utilizando como peso o número de alunos avaliados.
§ 1º - Para os fins do disposto no caput deste artigo, as unidades de ensino ou administrativas deverão ser submetidas à avaliação destinada a apurar os indicadores globais, em cada período.
§ 2º - Os servidores que atuam em níveis de ensino que não possuem Índice de Cumprimento de Metas - ICM próprio receberão pelo Índice de Cumprimento de Metas - ICM agregado da unidade escolar, conforme definido no inciso II deste artigo.
§ 3º - O Índice de Cumprimento de Metas - ICM das unidades escolares não avaliadas será igual ao indicador:
1. da respectiva Diretoria de Ensino, quando se tratar de Centros Estaduais de Educação de Jovens e Adultos - CEEJAs ou unidade de ensino sem índice próprio de cumprimento de metas;
2. da unidade vinculadora, quando se tratar de unidades de ensino multisseriadas e/ou vinculadas.
§ 4º - Para fins do que dispõe o § 2º deste artigo, quando a inexistência de índice próprio de cumprimento de metas for decorrente da não adesão dos alunos ao Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo - SARESP, motivada pela respectiva unidade de ensino, o indicador daquela unidade será igual a zero.
Artigo 7º - Os servidores abrangidos pelo disposto no artigo 2º desta resolução serão remunerados de acordo com o mesmo Índice de Cumprimento de Metas que se aplicar aos servidores da administração central.
Artigo  - O período de avaliação a que se refere o § 1º do artigo  da Lei Complementar 1.078/08, corresponde ao período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de cada ano.
Artigo 9º - A Secretaria da Educação adotará as providências necessárias para publicar, anualmente, o valor do Índice de Cumprimento de Metas - ICM das unidades de ensino ou administrativas, no primeiro quadrimestre do exercício seguinte ao considerado.
§ 1º - O dirigente de unidade de ensino ou administrativa que discordar dos valores dos índices a que se refere o caput deste artigo poderão apresentar recurso dirigido à Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional - CIMA, para manifestação, no prazo não superior a 30 (trinta) dias da data de sua publicação.
§ 2º - O recurso a que se refere o § 1º deste artigo deverá ser instruído com as razões que o originaram, relatórios, planilhas de cálculo e outros documentos que comprovem as divergências dos valores publicados em relação aos pleiteados.
§ 3º - A Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional - CIMA, a que se refere o § 1º deste artigo, por meio do Departamento de Avaliação Educacional -DAVED, deverá se manifestar sobre o recurso no prazo de 10 (dez) dias úteis e encaminhá-lo para decisão do Secretário da Educação, que:
1. acolhendo o recurso, total ou parcialmente, fará publicar o novo valor do Índice de Cumprimento de Metas - ICM da unidade recorrente até o último dia útil do mês subsequente ao da publicação a que se refere o caput deste artigo;
2. não acolhendo o recurso, informará ao impetrante as razões da manutenção do valor já publicado.
SEÇÃO II
Do valor da Bonificação por Resultados - BR
Artigo 10 - O valor da Bonificação por Resultados - BR será apurado na seguinte forma BR = P x RM x ICM x DEPA
§ 1º - Os elementos da fórmula a que se refere este artigo têm os seguintes significados:
1. P: percentual a que se refere o artigo  e § 1º da Lei Complementar 1.078/08, na forma definida em decreto e, quando for o caso, em resolução conjunta editada pela comissão a que se refere o artigo 6º da referida lei complementar;
2. RM: Retribuição Mensal do Servidor no Período de Avaliação, calculada nos termos do inciso V do artigo da Lei Complementar 1.078/08, e que servirá de base de cálculo para determinação do valor da Bonificação por Resultados - BR, deverá ser acumulada dentro do exercício considerado;
3. ICM: Índice de Cumprimento de Metas, valor apurado para a unidade de ensino ou administrativa em que o servidor exerça suas atividades;
4. DEPA: Índice de Dias de Efetivo Exercício no Período de Avaliação, relação percentual estabelecida entre os dias de efetivo exercício e o total de dias do período de avaliação em que o servidor deveria ter exercido regularmente suas funções, conforme estabelecido o artigo  da Lei Complementar 1.078/08.
§ 2º - Para fins do disposto no § 1º deste artigo, a Retribuição Mensal do Servidor no Período de Avaliação - RM de servidor com opção de retribuição pelo vínculo empregatício originário, nos termos da legislação vigente, corresponderá à retribuição do cargo ocupado na Secretaria da Educação.
Artigo 11 - Obedecidas as disposições da Lei Complementar 1.078/08 e desta resolução, o valor da Bonificação por Resultados - BR será calculado e pago proporcionalmente em relação à retribuição mensal, aos dias de efetivo exercício e ao Índices de Cumprimento de Metas - ICM, correspondente a cada situação funcional, quando se tratar de servidores do Quadro do Magistério em exercício:
I - em mais de um nível de ensino na mesma unidade;
II - em um ou mais níveis de ensino em unidades diferentes. Artigo 12 - O valor da Bonificação por Resultados - BR, calculado e pago proporcionalmente à retribuição mensal, aos dias de efetivo exercício e ao Índice de Cumprimento de Metas - ICM, correspondente a cada situação funcional, obedecidas as disposições da Lei Complementar 1.078/08 e desta resolução, será pago ao servidor que durante o período de avaliação, na mesma Secretaria, seja:
1. nomeado em comissão ou designado para responder por cargo vago ou por função retribuída mediante Pró-labore de coordenação, direção, chefia e encarregatura;
2. ocupante de cargo ou função-atividade que venha a exercer outro cargo efetivo ou função-atividade; e
3. removido para outra unidade escolar ou administrativa. Parágrafo único - Aplicam-se as disposições do caput deste artigo ao servidor designado para substituição nos termos do artigo 80 da Lei Complementar180, de 12-05-1978.
Artigo 13 - O valor dos Índices de Cumprimento de Metas - ICM obtido na avaliação do exercício considerado, para fins de cálculo da Bonificação por Resultados - BR, não poderá ser superior a 1 (um).
Artigo 14 - Se na avaliação do exercício considerado o Índice de Cumprimento de Metas - ICM for superior a 1 (um), poderá ser pago um adicional a cada servidor, nos termos do § 2º do artigo  da Lei Complementar1.078, de 17-12-2008.
Parágrafo único - O adicional a que se refere o caput deste artigo será calculado mediante a aplicação do excedente do valor dos Índices de Cumprimento de Metas - ICM, até o limite de 20%, sobre a soma das parcelas pagas ou devidas a título de Bonificação por Resultados - BR, relativas ao exercício considerado.
Artigo 15 - Para os servidores que se encontrem nas situações previstas no artigo 12 desta resolução, o adicional a que se refere o artigo 14 desta resolução será calculado mediante a aplicação do excedente do valor do Índice de Cumprimento de Metas - ICM, proporcionalmente aos dias de efetivo exercício nas respectivas unidades, sobre as correspondentes parcelas pagas ou devidas a título de Bonificação por Resultados - BR, relativas ao exercício considerado.
SEÇÃO III
Do pagamento da Bonificação por Resultados
Artigo 16 - O pagamento da Bonificação por Resultados - BR do exercício considerado, calculada na forma desta resolução, será efetuado em duas parcelas, na seguinte conformidade:
I - a primeira parcela terá o limite máximo de R$ 3.500 (três mil e quinhentos reais), a ser paga em 31 de março do ano em curso; e
II - a segunda parcela, considerado o saldo remanescente da parcela anterior, ou seja, o valor que tenha ultrapassado o limite máximo e será paga no decorrer do mês de setembro do ano em curso.
SEÇÃO IV
Das Disposições Finais
Artigo 17 - É vedado o pagamento da Bonificação por Resultados - BR, de que trata esta resolução aos:
I - servidores que percebam vantagens de mesma natureza; e
II - aposentados e pensionistas.
Artigo 18 - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a 01-01-2014.

"QUEREMOS NOSSA GREVE NO JORNAL NACIONAL" É O TEOR DA CARTA DA APEOESP A REDE GLOBO


A APEOESP indignada com a mídia jornalistica em especial com a Rede Globo que assim como o governo estadual coincidentemente também ignora o movimento dos professores da rede estadual de São Paulo enviou uma carta cobrando desta a função de uma concessão publica,segundo o sindicato
“como concessão pública, a Rede Globo deve cumprir seu papel de informar a população sobre todos os fatos que a possam interessar e, também, dará voz a todos aqueles que não estão satisfeitos com a realidade da escola pública estadual”

Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/03/professores-de-sao-paulo-enviam-carta.html#ixzz3VoSYfuXW




carta

A marcha de 60 mil professores foi a resposta da categoria a SEE que tenta ignorar a greve.

Não adiantou o governo tentar tampar o " sol com uma peneira furada"e ignorar e zombar da greve chamando de  "novela repetida"...os professores de São paulo deram o "troco" nas ruas. 
A última assembléia provou o descontentamento da categoria, forçando o  governo a deixar de ignorar o movimento abrindo negociação nesta segunda feira (21/03/15). 
Os professores não se intimidaram com todas articulações  da SEE para enfraquecer o movimento e prometem 100 mil nas ruas na próxima assembléia.
Política
Greve dos Professores

Professores param SP e Alckmin reconhece greve


Após marcha de 60 mil pessoas, segundo a Apeoesp, secretário de Educação pediu encontro
por Wanderley Preite Sobrinho — publicado 27/03/2015 21:01, última modificação 27/03/2015 21:39
Ana Chiavegatti/CartaCapital
Manifestação, greve dos professores
Embora tenha parado o centro expandido, PM estimou 10 mil pessoas. Grevistas falam em 60 mil
Depois de levar 30 mil pessoas para as ruas na semana passada, os professores grevistas do ensino público do estado de São Paulo pararam o centro expandido da capital nesta sexta-feira 27 com 60 mil grevistas, segundo o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp). 
A Policia Militar estima 10 mil pessoas.
Os professores pedem um aumento de 75,33%, percentual necessário para equiparar a margem salarial a categoria com a de outras profissões com nível superior e mesma jornada de 20 horas semanais.
A concentração para o ato iniciou-se às 13h no vão do Masp, na avenida Paulista. Uma assembleia decidiria se a greve acabaria naquela tarde ou prosseguiria até a próxima semana. Em pouco tempo, os arredores do museu estavam tomados.
Por volta das 15h, a presidenta da Apeoesp, Maria Izabel Noronha, subiu em um carro de som, tomou o microfone e abriu a decisão para os grevistas, que preferiram estender a paralisação até a próxima quinta-feira 2, quando uma nova assembleia decidirá os rumos da greve na praça da República, onde fica a sede da Secretaria Estadual de Educação.
O carro de som também serviu para mandar um recado. Segundo Maria Izabel, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) finalmente admitira a existência da greve ao pedir que o secretário da pasta, Herman Cornelis Voorwald, receba em seu gabinete a Apeoesp na próxima segunda-feira às 11h. “Não iremos negociar sozinhos, queremos os professores protestando em frente ao prédio”, convocou a presidenta.
Animada com a quantidade de gente, a professora aposentada Maria Eleuza Nascimento, 72 anos, saiu de casa para engrossar o protesto, que em pouco tempo seguiria em marcha até a Secretaria. “Quando eu estava na ativa, participava das greves. Agora que está muito maior, eu não iria deixar de dar apoio. Participo porque não quero que os professores do futuro sofram o que eu sofro com a baixa remuneração.”
Com 18 anos de profissão e mestrado, a professora Cassiana de Souza Perez, 40 anos, lamenta o salário de pouco mais de 3 mil reais que recebe. “Ganho isso porque fiz mestrado. Sabe quanto meu salário valorizou com o diploma? 200 reais.”
Cassiana diz, no entanto, que sua motivação maior é chamar a atenção da população para a necessidade de uma reforma no ensino público. É a mesma intenção da professora Daniela Cappucci, 41 anos, que paga do bolso a impressão das provas que aplica a seus alunos. “As portas não fecham, as paredes têm buracos e falta papel higiênico. Se o aluno precisar usar o banheiro, ele traz papel de casa.”
Às 16h10, um dos carros de som anunciou o início da caminhada. 
Uma multidão saiu em passeata. As avenidas do entorno ficaram congestionadas a ponto de alguns motoristas desligarem seus carros. Foram necessárias quase duas horas para que todos os manifestantes chegassem à Secretaria. “Ainda tem gente no meio da rua Consolação”, anunciava o caminhão de som estacionado na praça da República.
Marchando na rua com os outros manifestantes, a presidenta do sindicato parou para conversar com a reportagem. Disse que aproximadamente 130 mil professores em todo o estado estão de braços cruzados, o que representa 75% de adesão, número 28 vezes maior do que informava o governador em entrevista coletiva na última quarta-feira 25: "Não está tendo greve, a verdade é essa. Você tem 2,6% [de adesão], é falta normal”.
De acordo com Maria Izabel, a única proposta do governo do estado foi a concessão de um bônus de 10,5% para 10 mil professores com bom rendimento em uma prova específica. Os outros 220 mil profissionais da rede estadual permaneceriam sem reajuste.
A dirigente ironizou o silêncio do governo e a ausência das manifestações na televisão. “Não adianta a Globo fazer matéria sobre a educação ideal se não mostrar como ela é agora.”
Por volta das 18h30 a dispersão começou. “Será temporário”, previu a professora Jacqueline dos Santos, de 42 anos e 20 de profissão. “Segunda-feira estarei aqui para a reunião com o secretário e na assembleia de quinta-feira seremos 100 mil.”
Fonte :http://www.cartacapital.com.br/politica/professores-param-sao-paulo-e-alckmin-reconhece-greve-7374.html